Home Embaixador Embaixada Relações bilaterais China ABC Serviço Consular Contactos  
 
 
 
 
  Home > Notícias
 
 
  O Média de Portugal Expresso Publicou o Artigo Intitulado "Num Mesmo Barco para Atravessar o Rio, Esforços Conjuntos para Superar o Desafio" do Sr. Cai Run, Embaixador da China em Portugal
 
  ( 2020/04/16 )
 
 

O média de Portugal Expresso publicou a 15 de abril o artigo intitulado "Num Mesmo Barco para Atravessar o Rio, Esforços Conjuntos para Superar o Desafio" do Sr. Cai Run, Embaixador da China em Portugal. Segue-se o artigo em íntegra:

Perante a epidemia de Covid-19 que surgiu de forma inesperada e sem precedentes, como o país mais populoso do mundo que tem mais de 1,4 mil milhões de habitantes, a China anuiu à atitude de alta responsabilidade pela vida e saúde do seu povo, e optou penosamente mas resolutamente por premir "o botão de suspensão" de todo o país, tomando oportunamente as medidas de prevenção e controlo mais abrangentes, rigorosas e minuciosas, no sentido de conter a propagação epidémica de forma absoluta. O Senhor Presidente Xi Jinping conduz e dispõe diretamente os trabalhos de prevenção e controlo de epidemia. Com uma determinação idêntica por toda a China, foi estabelecido dentro de pouco tempo um Sistema de Força-Tarefa Interagencial contra a Epidemia. Em menos de sete dias, os cientistas chineses conseguiram isolar a cepa viral e desenvolveram os reagentes de deteção. À província de Hubei e à cidade de Wuhan acudiram mais de 40 mil profissionais de saúde provenientes de diferentes regiões do país. Milhares de engenheiros levaram apenas pouco mais de dez dias para construírem em Wuhan dois hospitais especializados com mais de 2 mil camas destinadas ao recolhimento e tratamento concentrados dos doentes. Sob a forte liderança do Partido Comunista da China, e graças aos contributos generosos dos inúmeros profissionais e à luta conjunta de todo o país, depois dos árduos esforços de vários meses, a prevenção e controlo da epidemia na China alcançaram importantes efeitos faseados, e as ordens da produção e da vida vêm regressando à normalidade com rapidez. As práticas e efeitos da China ajudaram a acumular experiências para a luta mundial contra a pandemia, trouxeram esperança a todas as pessoas nos quatro cantos do mundo e ajudaram a incrementar a confiança a toda a comunidade internacional na vitória definitiva desta luta. O Secretário-Geral da ONU, Sr. Eng.º António Guterres afirmou que, recorrendo à firme determinação e à forte tenacidade, a China não só vencerá rapidamente a epidemia, mas também retomará em breve a normalidade das ordens económicas, o que não só beneficiará o povo chinês, mas também constituirá importantes contribuições para o mundo. Segundo um relatório conjunto dos investigadores britânicos e norte-americanos que foi publicado na Science, revista académica mundialmente reconhecida, foram as medidas historicamente mais resistentes, expeditas e eficazes tomadas pela China que permitiram a inversão atempada da rápida propagação do vírus, e ganharam tempo para os outros países poderem tomar as relevantes medidas. No entanto, é claro que a China ainda está confrontada com a pressão de uma eventual segunda vaga da epidemia e a tarefa de prevenção e controlo da epidemia continua pesada e complexa.

Desde o início da luta contra a epidemia, a parte chinesa tem anuído sempre a uma atitude aberta, transparente e responsável para intensificar a cooperação internacional no combate conjunto à pandemia. A parte chinesa recebeu o relatório de caso suspeito a 27 de Dezembro do ano passado, começou o rastreamento epidemiológico a 29 do mesmo mês, comunicou oficialmente a informação à Organização Mundial de Saúde e outros países no dia 3 de Janeiro do ano corrente e compartilhou a sequência genética completa do vírus com eles no dia 12 de Janeiro. A parte chinesa atualiza os dados todos os dias, e responde sem demora às preocupações das partes envolvidas. A China enviou atempadamente a todas as partes relevantes os seus planos diagnósticos e da prevenção e controlo de Covid-19, e estabeleceu um mecanismo da troca regular das informações, a fim de reforçar a consulta das políticas. Além disso, foi convocada uma videoconferência entre os peritos em epidemiologia da China e dos países europeus, inclusive Portugal, para que as experiências da parte chinesa se sirvam como uma referência para outras partes. Apesar da pressão de uma eventual segunda vaga da epidemia, a China tentou superar as suas próprias dificuldades grandes para dar a mão à comunidade internacional, inclusive aos países europeus, fornecendo-lhes apoios e ajudas conforme as suas necessidades, e dando contributos positivos à salvaguarda da segurança da saúde pública mundial. Mais de 170 chefes de estado e do governo e mais de 40 responsáveis das organizações internacionais, inclusive Secretário-Geral da ONU, Sr. Eng.º António Guterres e Diretor-Geral da OMS, Sr. Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, tributaram grandes elogios à China pelos seus enormes esforços feitos na luta contra a pandemia e pelos seus efeitos positivos alcançados, manifestando a disponibilidade para reforçar ainda mais a coordenação e cooperação com a parte chinesa na luta conjunta contra a pandemia.

A China e Portugal são bons amigos e parceiros, e têm mantido na história a amizade tradicional de apoio mútuo e solidariedade firme nos tempos difíceis. Desde o início do surto de epidemia, as duas partes têm cooperado estreitamente e têm-se apoiado um ao outro. No período crucial do seu combate à epidemia, a parte chinesa recebeu a solidariedade sincera e apoio firme da parte portuguesa, assim como dos portugueses dos mais diversos setores. A China jamais se esquecerá que a parte portuguesa apreciou positivamente a cooperação desenvolvida pela parte chinesa com a comunidade internacional, contrariando resolutamente todas as palavras ou comportamentos discriminatórios dirigidos contra determinados países ou grupos de pessoas. A China jamais se esquecerá que na Camâra Municipal de Lisboa, superando divergências partidárias, foi aprovado por unanimidade o voto de solidariedade com a comunidade chinesa em Portugal, e que antes do jogo da 1ª Liga de Portugal entre o Benfica e Sporting de Braga, foi exposto no campo um painel que diz Força China, Estamos Juntos em chinês. A China também jamais se esquecerá que os portugueses dos mais amplos círculos doaram materiais médicos, ou escreveram comentários encorajantes na Internet, para apoiar e torcer pela Wuhan, pela China. A parte chinesa agradece muito e vai se recordar disso para sempre.

A nação chinesa é uma nação que sempre retribui a bondade. Nunca ficamos de braços cruzados perante as dificuldades dos amigos, nem esconderemos nenhum interesse egoísta por detrás da ajuda. Desde o início do registo de Covid-19 em Portugal, sentimos na pele os desafios e dificuldades que Portugal está a viver, iniciámos de imediato as ações para fornecer assistências dentro do alcance ao combate à pandemia da parte portuguesa. De acordo com as estatísticas iniciais até à data, as doações oriundas da China que já chegaram ou estão a chegar a Portugal para combater Covid-19 incluem 632 mil máscaras cirúrgicas, 135 mil máscaras N95, 102 mil pares de luvas de uso médico, 6450 batas de proteção, 3500 óculos de proteção, 5 mil kits de teste de ácido nucleico, mais de 100 ventiladores e 10 sistemas de video, entre outros equipamentos médicos. A parte chinesa continuará a doar mais materiais médicos à parte portuguesa e a disponibilizar mais assistências e facilidades à parte portuguesa na sua aquisição desses materiais na China. Ao percurso do combate conjunto à pandemia, a Parceria Estratégica Global China-Portugal saiu mais aprofundada, e a confiança e amizade entre os povos chinês e português vêm sendo cada vez mais consolidadas e valiosas.

O vírus não conhece fronteiras, e a pandemia é inimigo comum dos seres humanos. Face à pandemia, estamos confrontados com desafios comuns, responsabilidades conjuntas e destino compartilhado. Perante esta crise sem precedentes, todos os países devem ultrapassar as divergências ideológicas e livrar-se das suspeitas injustificadas, para emitir um bom sinal de solidariedade e esforços conjuntos na luta conjunta contra a pandemia. A parte chinesa está disposta a trabalhar, de mãos dadas com a comunidade internacional, com Portugal incluído, para reforçar a cooperação e o apoio mútuo e posteriormente vencer esta batalha contra a pandemia, promovendo a construção da Comunidade de Destino Comum da Humanidade.

 


Suggest to a Friend
       Print
E-mail to us