Home Embaixador Embaixada Relações bilaterais China ABC Serviço Consular Contactos  
 
 
 
 
  Home > temas actuais
 
 
  China propõe cinco princípios para solução política da questão síria
 
  ( 2014/01/20 )
 
 
O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, propôs nesta segunda-feira cinco princípios para uma solução política para a questão da Síria durante uma entrevista coletiva à Agência de Notícias Xinhua e à Televisão Central da China (CCTV).

Segundo o chanceler chinês, a parte chinesa saúda e apoia a convocação da segunda conferência sobre o assunto da Síria em Genebra em 22 de janeiro, o que é uma boa chance para promover a solução política da questão síria e deve-se insistir em cinco aspectos. Primeiro, a questão síria deve ser resolvida via meios políticos. Segundo, o futuro da Síria deve ser decidido por seu próprio povo. Terceiro, deve-se promover um processo de transição política. Quarto, a reconciliação e unidade nacionais devem ser alcançadas na Síria. Quinto, a assistência humanitária deve ser oferecida na Síria e países vizinhos.

De acordo com Wang, a reunião de Genebra significa o começo dos diálogos e deve ser um processo contínuo. Por isso, necessita-se um mecanismo de acompanhamento bem definido para manter o diálogo, a negociação e outros atuais esforços políticos. É essencial que a negociação não só seja lançada, mas --ainda mais importante-- seja realizada para até obter resultados práticos. Esse encontro deve ser uma plataforma aberta a todas as partes na Síria dedicadas a uma solução política para que todos sejam uma parte ativa no processo e tenham uma função.

Wang Yi afirmou que a transição política deve ser liderada pelo povo sírio e que o futuro da Síria, basicamente, deve ser decidido somente pelos próprios sírios. A comunidade internacional deve seguir a Carta da ONU e as normas básicas das relações internacionais, dedicar-se à manutenção da soberania, independência, unidade e integridade territorial da Síria e respeitar a vontade e a escolha do povo sírio. A comunidade precisa adotar uma atitude justa, equilibrada e imparcial para lidar com todas as partes na Síria, criar condições favoráveis e um ambiente necessário para o planejamento de transição política e evitar a imposição externa de soluções políticas para o país árabe. É necessário manter e apoiar as Nações Unidas como o principal canal de mediação.

Segundo o ministro, a China já anotou as diferenças e desacordos entre partes na Síria nas respectivas posições e demandas. A inflexibilidade não levará a lugar nenhum, mas o entendimento e a acomodação levarão adiante. A China espera que todas as partes na Síria ajam pelo futuro e destino do país e pelo benefício geral do povo, mostrem vontade política, encontrem-se no meio de caminho e sigam um caminho "intermediário" inspirado nas experiências úteis regionais e internacionais e levem em conta as condições nacionais e os interesses de todas as partes na Síria. Fim

 
 


Suggest to a Friend
       Print
E-mail to us